MPME locais em exposição em Angola

Luanda - As pequenas empresas e empresas de propriedade de mulheres estão entre as 24 empresas sul-Africano introduzindo seus produtos para dezenas de milhares de potenciais compradores na Feira Internacional de Angola (Filda), que abriu em Luanda na terça-feira.

Como parte de seu marketing de exportação e regime de assistência de investimento (EMIA), Departamento da África do Sul de Comércio e Indústria (DTI) hospeda um pavilhão nacional na grande feira internacional em Angola.

O departamento auxilia as empresas com potencial, que de outra forma não poderia ser capaz de participar da feira, que no ano passado viu mais de 800 empresas de 40 países participando de uma exposição que foi visitada por mais de 50 000 pessoas.

O objectivo do regime EMIA é desenvolver mercados de exportação para os produtos e serviços sul-Africano e ao recrutamento de novos investimentos estrangeiros diretos no país.

O DTI disse que as empresas sul-Africano representadas na feira deste ano incluem pequenas, médias e micro empresas (MPME), exportadores emergentes, empresas de propriedade de mulheres e grandes empresas retirados de setores, incluindo construção, petróleo e gás, mineração, tecnologia de informação e comunicação e barco-edifício.

O vice-ministro do comércio e da indústria, Mzwandile Masina, disse Filda, que vai de 21 de julho a 26, exporia as empresas sul-Africano para o comércio e as oportunidades de investimento disponíveis em Angola e outros países que participam na exposição multi-sectorial anual.

"O DTI está se esforçando para facilitar o desenvolvimento económico através da promoção de investimentos externos, o comércio intra-africano, a industrialização regional e do desenvolvimento de infra-estrutura na região da Comunidade Sul Africano de Desenvolvimento eo resto da África", disse Masina.

O comércio entre África do Sul e Angola situou-se em mais de R33 bilhões no ano passado, com um déficit comercial R10 bilhões incorridos pela África do Sul.

O DTI disse exportações sul-Africano para Angola composto principalmente de máquinas electro-técnico e aparelhos mecânicos, alimentos preparados, bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres, produtos químicos, equipamentos mecânicos para veículos e aeronaves, e legumes.

A composição das importações angolanas na África do Sul tem sido principalmente óleos de petróleo, minerais betuminosos e óleo cru.